19 outubro, 2007

Prazer: inveja?

Nestes últimos dias, lendo notícias gerais de várias partes do planeta( desde fome na África, até discussões sobre urânio na Turquia) e comecei a construir uma teoria a respeito do desenvolvimento humano. Mais especificamente do capitalismo e sua total simbiose na sociedade.

Por que o modelo do capitalismo se instalou como a ordem predominante do planeta? Por que, em conseqüência, a cultura ocidental foi compartilhada(usei de eufemismo, o certo seria "comprada") pelo resto do planeta?

O socialismo, que tem todas as características de ser um sistema justo, onde todos tem uma qualidade de vida boa, feliz e sem sofrimento. Marx e Engels devem discutir na eternidade: "Onde foi que erramos?".
Erraram na capacidade de causar o pecado humano mais comum e passível de discussão: a inveja. Mas por quê? A inveja move o mundo. A inveja gera a energia e força necessárias para se realizar qualquer coisa. Cultivamos a inveja em nossa evolução, nosso material genético contem essa informação justamente por ela nos ter ajudado a sobreviver. Quem nunca sentiu inveja de um coleguinha da 3ª série que jogava futebol super-bem e todos o disputávam pra escolher os compontentes dos times na educação física? Quem foi a menina que nunca sentiu inveja da amiguinha ter o cabelo liso e o dela ser cabelo "ruim" ?

Sempre queremos as características que os outros têm de melhor. Mas a inveja anda de mãos dadas com o desvio de conduta e valores. "O que não posso ter, ninguém terá". O pensamento destrutivo, agressivo e mesquinho que corrói a compaixão de quem é fraco. O capitalismo é movido pela inveja. "Meu colega ganha mais que eu, ele vai ver que sou eu que mereço estar no lugar dele"; "Nossa, o carro do vizinho é novo! Quero um pra mim, mas vai ser melhor que o dele"; e por aí vai. O problema é justamente esse: passar de um simples desejo para uma atitude que tem como objetivo prejudicar alguém.

No socialismo não existe isso: todos tem a mesma coisa, e a mesma coisa é de todos. Muitos pensariam "vidinha monótona". Não existe propriedade privada, desenvolvimento de concorrência e evolução de capital. Teoricamente ninguém tem inveja de ninguém. Errado. Eles tem inveja de quem vive no mundo "livre" do capitalismo, onde todos sentem inveja e(por que não?) gostam de causa-la.

Muitos dos problemas cotidianos envolvem inveja: traições(em diversos aspectos, desde matrimoniais até empresariais), o tão comentado porém esquecido respeito, cidadania, entre outros.

Inveja não é boa. Mas é necessária. No mundo há diferenças, isso é algo intrínseco da própria natureza. A inveja, entretanto, precisa ser desviada para se tornar algo útil e não destrutiva. Evolução. A inveja existe não para destruir, mas para criação e compartilhar a nova criação com todos. Para que, quando todos ja tenham a "nova" criação, alguem queira ser diferente com algo mais novo ainda: para causar mais inveja, e o ciclo se repetir.

E que depois da inveja, venha a compaixão.
Inveja sem compaixão é assassinato do ser invejado.

1 Comentários:

Willen disse...

esta ai um texto de ótima qualidade que faz que nós reflitamos sobre como a inveja nos domina e nos faz muitas vezes a praticar atos absurdos. O grande problema é fazer com que a inveja seja algo produtivo. Mesmo porque no dia em que alguem conseguir dominar a inveja, causará inveja em outras pessoas..

chego a conclusão que a inveja e o ser humano vivem em uma verdadeira relação de mutualismo

Postar um comentário

Comentários são sempre bem vindos. Desde que escritos de uma forma correta. Lembre-se que o seu direito acaba onde começa o de outro.